Gatilho emocional e compulsão alimentar
18/07/2017
Dicas para tirar a chupeta
28/07/2017

Relação entre microbiota intestinal e transtornos do humor

É fato indubitável que uma refeição apetitosa é capaz de melhorar o nosso humor e que o contrário também pode ocorrer. Quem nunca ficou feliz quando participa de uma refeição com pratos deliciosos ou, ao contrário, tenha ficado decepcionado quando tem o desprazer de comer uma comida intragável?

Há tempos as Neurociências, caminhando junto com a Endocrinologia, têm descoberto quão fundamental é a qualidade da microbiota intestinal para nosso estado de humor. Já é fato conhecido que os intestinos são grandes produtores de Serotonina e sabemos o papel importante que este neurotransmissor desempenha para execução das funções psíquicas.
Em 07 de março de 2017, a importante revista científica Nature publicou em seu site online, Scientific Reports uma pesquisa desenvolvida na Universidade da Virgínia – EUA que demonstra a relação entre alterações da microbiota intestinal e comportamentos de desesperança induzidos pelo estresse. ( https://www.nature.com/articles/srep43859 ) .

Este estudo, realizado com camundongos, mostra um mecanismo específico, ligado ao metabolismo de uma substância diretamente ligada ao desenvolvimento de quadros depressivos, a quinurenina, cujos metabólitos ativos sabidamente levam à depressão. Ou seja, demonstraram haver uma relação entre a saúde do microbioma intestinal e o equilíbrio das funções mentais.

Outros estudos pré-clínicos avaliaram como a reposição de algumas cepas de Lactobacilos poderiam interferir positivamente para melhora de sintomas depressivos em seres humanos. Algumas cepas de bactérias, como os Lactobacillus reuteri, realmente parecem interferir normalizando o metabolismo da quinurenina e, assim, promovem melhora tanto em sintomas depressivos como na ansiedade. Outras cepas, como a dos Lactobacillus rhamnosus, JB1, têm mecanismo de ação baseado na comunicação do nervo vago, já não produzem resultado positivo na redução dos sintomas depressivos nem na ansiedade.

Os resultados desses estudos são promissores e nos fazem acreditar que, com o desenvolvimento de mais pesquisas sobre o eixo microbioma – intestino – cérebro, tratamentos mais simples para os transtornos do humor e da ansiedade poderão estar disponíveis em pouco tempo.

Enquanto isso, podemos adotar o hábito regular de ingerir iogurtes, de preferência naturais e feitos em casa, e kefir, além de reduzir a ingestão de carboidratos, especialmente os refinados, que, sabidamente, levam ao desenvolvimento de uma microbiota intestinal pró-inflamatória.

Fernando Avelar Tonelli
Psiquiatria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *