O tempo e/é o que penso
07/07/2017
Não deixe de aproveitar a sua carreira
12/07/2017

Menopausa: 20 mitos e verdades

Não tem como fugir: a menopausa é um estágio natural da vida da mulher pelo qual todas passam. Embora seja mais do que normal, a maioria das mulheres se incomoda com algum dos seus sintomas, fica apreensiva quanto ao futuro da vida sexual e, ainda, parece atravessar um dos períodos mais difíceis da existência.

É uma fase de transição muito importante. Impregnada por uma carga hormonal e emocional gigantesca, a menopausa tem lá suas complicações e agústias. Uma das maiores questões é a transição entre a fase reprodutiva para a não reprodutiva, que pode trazer depressão e influenciar negativamente as atividades diárias. Como não se abater? Um conselho: deixe as crendices de lado e informe-se.

Em relação ao envelhecimento sexual feminino, há duas condições pelas quais a mulher passa nesse período: a menopausa e o climatério. A menopausa caracteriza-se pela ausência de menstruação e o climatério representa os períodos pré e pós-menopausa. O climatério é um evento fisiológico que se inicia por volta dos 40 anos, culminando com a menopausa, geralmente entre 45 e 50 anos.

Para ajudar nesse cenário de tantas dúvidas, Rogério de Oliveira, geriatra e médico ortomolecular, preparou um guia com mitos e verdades sobre o tema. Conheça os sintomas da menopausa e suas implicações para que essa passagem possa ser o mais leve possível.

A MENOPAUSA CAUSA DIMINUIÇÃO DA LIBIDO?
Verdade. A menopausa diminui a libido, isso ocorre por diversos motivos, entre eles, a menor lubrificação vaginal.

APÓS OS 40 ANOS A MULHER NÃO ENGRAVIDA MAIS?
Mito. Na verdade, ocorre uma redução de fertilidade dos 35 anos em diante, mas a fertilidade existe até a menopausa e, justamente nesse período onde os riscos da gestação são maiores, deve existir uma preocupação em usar métodos contraceptivos. A produção de óvulos vai se tornando escassa e a qualidade dos mesmos é inferior com o passar dos anos. Para que uma mulher na pós-menopausa possa engravidar deve ser rigorosamente avaliada por uma equipe médica especializada para ser informada de todos os riscos que podem advir de uma gravidez tardia. Poucas chances de sucesso, falhas genéticas e doenças associadas inerentes à idade são alguns dos riscos.

NÃO HÁ TRATAMENTOS QUE PERMITAM UMA GRAVIDEZ NA MENOPAUSA.
Mito. Há possibilidades terapêuticas capazes de sustentar uma gestação nessa fase como os hormônios sintéticos. O tratamento tem o objetivo de preparar o útero para receber o embrião que na grande maioria das vezes vem por meio da fertilização assistida.

OS SINTOMAS DA MENOPAUSA SÓ OCORREM APÓS OS 50 ANOS.
Mito. Um dos primeiros sinais do climatério é a irregularidade menstrual. Isso geralmente precede a menopausa em alguns anos.

É COMUM A MULHER SENTIR CALORES INTENSOS E TER SUDORESE NOTURNA.
Verdade. Os sintomas de calores e sudorese noturna fazem parte de um grupo de manifestações neurogênicas advindas da queda hormonal. Além deles, a cefaleia, a tontura e as artralgias compõem esse quadro. Para algumas pacientes as manifestações podem ser bastante desconfortáveis e levar a quadros incapacitantes nessa fase, promovendo uma queda na produtividade em termos de trabalho.

PODEM SURGIR DOENÇAS NA ÉPOCA DO CLIMATÉRIO.
Verdade. Há várias doenças que podem surgir em função desse período. O ganho de peso é frequente, o que pode levar a aterosclerose. Essa condição pode estar associada ao aparecimento de doenças cardiovasculares como os infartos cardíacos, os derrames cerebrais (AVC) e a hipertensão. A densidade óssea também diminui o que pode levar ao aparecimento da osteoporose e alterações na coluna, bem como aumentar o risco de fraturas em coluna e fêmur. Depressão, insônia, perda de elasticidade da pele também são frequentes.

PELE, UNHAS E CABELOS NÃO SOFREM MODIFICAÇÕES DURANTE A MENOPAUSA.
Mito. Ocorre a desidratação da pele e a diminuição na produção de colágeno pela redução do hormônio feminino, o estrogênio. A pele fica mais fina, aparecem mais rugas, os vasos ficam mais visíveis e a cicatrização da pele se torna mais lenta. Pode ocorrer a queda de cabelo e enfraquecimento das unhas. A reposição hormonal pode ajudar a melhorar os sintomas da menopausa e a aparência da pele.

A MULHER PODE ENGORDAR QUANDO UTILIZA HORMÔNIOS?
Depende. Quando a mulher entra na menopausa, existe a possibilidade de aumentar o peso na fase pré-menopausa, mesmo sem utilização dos hormônios. Atualmente já existem terapias hormonais que podem evitar o aumento de peso relacionado à retenção de líquidos.

A REPOSIÇÃO HORMONAL AJUDA A CONTROLAR OS SINTOMAS DA MENOPAUSA.
Verdade. Nessa fase, a mulher precisa ter muitos cuidados com a saúde, principalmente com os níveis hormonais que causam deficiência de hormônios e consequentemente uma serie de sintomas que precisam ser tratados. Para tratar esses sintomas, a modulação hormonal é o tratamento mais eficaz. Através de exames laboratoriais, pode-se traçar o perfil hormonal da paciente detectando suas necessidades, possibilitando o equilíbrio metabólico para que o paciente atinja um padrão saudável.

NESSE PERÍODO PODEM OCORRER ALTERAÇÕES HORMONAIS.
Verdade. Em torno dos 40 anos há uma queda na produção hormonal de progesterona pela mulher. Em seguida, por volta dos 45 anos de idade, começa a diminuir o estrogênio, que acompanha o início da menopausa. Para cada mulher existe um tratamento de reposição hormonal, que será baseado nos sintomas de cada uma.

EXISTEM FORMAS DE RETRATAR A MENOPAUSA?
Mito. É preciso ficar bem claro que nem o climatério nem a menopausa são doenças, ambos fazem parte de ocorrências naturais ao longo da vida das mulheres que, ao contrário do que muita gente pensa, devem ser tratados para que a mulher possa ter sua qualidade de vida assegurada. Uma dieta adequada, a prática de atividades físicas e evitar o estresse da vida moderna são medidas higienodietéticas importantes para se assegurar a passagem por esse período com o mínimo de sintomas possíveis.

DEPRESSÃO, ANSIEDADE, INSÔNIA COSTUMAM ACOMPANHAR A FASE?
Verdade. Esses sintomas fazem parte das manifestações psicogênicas sofridas por algumas mulheres nessa fase. Além disso, manifestações neurogênicas (calores e sudorese) e físicas (ganho de peso, doenças cardiovasculares, dislipidemias) são comuns.

APARECEM PROBLEMAS UROLÓGICOS COMO INCONTINÊNCIA URINÁRIA E CISTITE DE REPETIÇÃO.
Verdade. Como há uma atrofia genital progressiva e mudanças no pH e na flora vaginal bacteriana, a mulher fica mais suscetível às cistites e infecções urinárias de repetição. Essas podem ser amenizadas como a terapia de reposição hormonal tanto pelo uso de medicamento via oral quanto por terapia tópica transvaginal. A incontinência urinária, menos presente, pode também estar associada a partos prévios que a paciente teve o que pode levar à fraqueza da parede.

A DATA DA PRIMEIRA MENSTRUAÇÃO INFLUENCIA NO TÉRMINO DO PERÍODO MENSTRUAL.
Mito. A ciência tem revelado que a idade da primeira menstruação nada tem a ver com o momento da chegada da menopausa. Há variações, por fatores genéticos, em relação aos diferentes momentos que algumas meninas chegam à primeira menstruação. A única associação confirmada por estudos científicos é a de que mulheres obesas podem ter sua última menstruação ocorrendo um pouco mais tardiamente. A idade da menopausa da mãe pode ser um referencial, nunca uma regra, para avaliar o momento em que a filha chegará à menopausa. Hábitos alimentares, estresse do dia-a-dia e estilo de vida podem interagir com a herança genérica para determinar a idade da menopausa.

TODA MULHER NA MENOPAUSA TEM IRREGULARIDADE MENSTRUAL.
Verdade. A irregularidade menstrual é inerente ao processo da menopausa, sobretudo no período pré-menopausa, pois essa é uma fase de diminuição na produção da progesterona. Claro que é preciso ficar atento para que nem toda irregularidade menstrual seja caracterizada como menopausa. O conjunto de fatores associados à boa história clínica feita pelo médico poderá nortear a conduta.

BOA ALIMENTAÇÃO É FUNDAMENTAL NESSE PERÍODO.
Verdade. Uma alimentação balanceada é muito importante em qualquer fase da vida. Em função das mudanças sofridas pela mulher nessa fase precisamos introduzir alimentos ricos em vitaminas C, E, D3, zinco, selênio, ácido fólico, cálcio, proteínas com alto valor biológico e os chamados fitonutrientes, que são os isoflavonóides da soja. Uma dieta adequada deverá ser pobre em gorduras e açúcares e rica em frutas, vegetais, fibras e grãos. Leite desnatado e seus derivados, castanhas, carnes, legumes, frutas cítricas são importantes fontes desses nutrientes. Evitar bebidas alcoólicas, refrigerantes, chás, café e cigarro contribui para amenizar os sintomas da menopausa.

EXERCÍCIOS PODEM AJUDAR A LIDAR MELHOR COM A MENOPAUSA.
Verdade. A mudança de hábitos é fundamental. São indicados exercícios frequentes, duas a três vezes por semana. Eles fortalecem os músculos e ossos, o sistema cardiorrespiratório e controlam o peso. A prática regular de atividade física também ajuda evitar o acúmulo de gordura, além de reduzir a pressão arterial e prevenir o aparecimento de doenças cardiovasculares e osteoporose.
Fonte: Siobhan Harris

Dra Roseli Medeiros
Ginecologista e Obstetrícia
Especialista em Endocrinologia Ginecológica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *